segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O amor



"O que existe além do que já foi dito sobre o amor? 
Toda minha vida foi pautada em amores que tive ou gostaria de ter.

Falando sobre os que tive, também não tenho muito que dizer.
Amei e fui muito bem amada.
Mas foi um amor, um único amor, que veio cruzou minha vida, tocou minha alma e ficou marcado em minha pele. Aquela que só nos atrevemos a lembrar, quando durante a noite no escuro, encostamos nossas cabeças no travesseiro e o silêncio cala fundo. 

Percebemos que amor igual não há e que aquela pessoa continua e continuará a ser nossa referência afetiva mais sincera e profunda.


Todos nós carregamos com nós uma história. 
Não importam os anos, certas coisas simplesmente permanecem

Mas então, numa quinta-feira a tarde de um ano qualquer, tropeçamos nesse amor já supostamente esquecido.

Não é doença nem obsessão. 
Aliás não é nada, só amor. 
Amor dos bons, daqueles que são únicos e maravilhosos, que acontecem poucas vezes na vida das pessoas. 
Daqueles amores que ficam e que teremos que conviver com ele como algo concreto e parte de nossas vidas. 

Que alma consegue atravessar a vida sem ter conhecido o amor e quem sabe, ter a sorte de ser correspondido? 
Que vida vale a pena sem amor? 

Nenhum sentimento é mais lindo profundo e transformador que o amor. Só amor transcende e purifica, enlouquece e cura, invade, permanece, liberta e aprisiona. Quando acontece é um som grave que penetra invade e permanece. 
Não compliquem e nem elaborem o sentimento mais incrível e poderoso de todos
Permitam que eles cheguem e se instale.

Porque o resto são bobagens meninos, bobagens."
Carolina Ferraz

sábado, 1 de setembro de 2012

Namorado

Gente, achei esse texto tão lindo...
Postei aqui porque se falando de delicadeza: Namorar não é uma questão de querer e sim de saber!
Textinho do Carlos Drummond de Andrade



 "Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namoro de verdade é muito raro.
Necessita de adivinhação, de pele, de saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas, namorado, mesmo, é muito difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda, decidida ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição. Quem não tem namorado, não é que não tem um amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes, mesmo assim pode não ter um namorado.
Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho.
Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa é quem ama sem alegria. Não tem namorado quem faz pacto de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugida ou impossível de durar. 
Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas: de carinho escondido na hora em que passa o filme: de flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.
Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer cesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor. Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira d'agua, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos e musical da Metro. Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não chateia com o fato de o seu bem ser paquerado. 
Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia de sol em plena praia cheia de rivais. Não tem namorado quem ama sem se dedicar; quem namora sem brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele. 
Não tem namorado quem confunde solidão com ficar sozinho e em paz.Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo, e quem tem medo de ser afetivo.
Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e de medo, ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras, e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada, e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo da janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uam névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteira: Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido. Enlou-cresça."

domingo, 29 de julho de 2012

Uma paixão inexplicável!

Chá de Camomila


Indicação: Cólicas e Gáses; Tensões pré-mestruais; 
Modo de usar: Duas ou três vezes por dia!
Indicação: Estimulante do sono; Dores de cabeça e gripes
Modo de usar: Tomar meia xícara de chá.


*Contra-indicação: O chá deve ser suspendo durante a gestação.


Sempre que aquele friozinho bater, 
tome um chá! 

 Chá de Maracujá:
1 Litro de água;
10 colheres de açúcar;
5 Cravos da Índia;
Semente e poupa de maracujá;
1 Maçã cortada em pedacinhos.
Modo de preparo:
Caramelar o açúcar. Acrescentar todos os ingredientes e deixar ferver por 15 minutos.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

Poesia e café é pra quem sabe esperar!



                   Cappuccino Caseiro
50 g de café solúvel
250 g de leite em pó (integral ou desnatado)
3 colheres (sopa) de chocolate em pó (não pode ser achocolato)
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de canela em pó
250 g de açúcar (ou equivalente em adoçante)
                         Modo de fazer:
Bater no liquidificador o café até ficar fino.
Acrescentar aos outros ingredientes em uma tigela e peneirar tudo junto em outraA validade é de 6 meses.

Dona Moça


"Esquece essa gente pequena Dona Moça;
Não é todo mundo que guarda no peito, um baú feito o teu,
Cheio de inspiração, flores, cores e delicadezas.
Tem gente que transforma o que passou, em mágoa.
Feliz é você dona moça, que pega o que restou do passado e transforma o que passou em poesia".
                                                 
                                             - Karla Tabalipa 


                
                                                                                           Delicadeza é saber tratar das lembranças! ^^

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Amar é

Conviver...
                                                                                                                                                                             

Compartilhar seja uma caminhada, um doce, uma piada. 
Relacionamentos, assim como compartilha secretos olhares no inicio, necessitam ainda dessa troca de segredos para manterem-se firmes.


Hoje com tanta correria, com tantos objetivos, com tantas prioridades... 
Qual foi a ultima vez que parou o seu dia para compartilhar coisas inesquecíveis com quem ama?  


E estas tais coisa tão preciosas, é ir ao Café, sentar diante ao mar, simplesmente dar as mãos e segurar o mundo.

Sortudo aquele que ama o tempo e por isso não o deixa passar... 
Quando deixamos as coisas passarem, quando menos esperamos já não as temos mais. 


E é justamente aí que as coisas acabam.


Porque o doce do conviver já não tem importância, porque caminhar sozinha na praia vira algo tão sem importância... Certos caminhos, já nem se percebe a ausência ao seu lado.

Conviver é fundamental para não pensarmos que o mundo nos espera! Porque ele nunca vai nos esperar... A rotação cansa, os equinócios cansam, as estações cansam... E quando vê, o inverno já passou!


As mãos, são por coação, responsáveis por conviver com tudo... Porque tudo acena no inicio, se despede no final. E o tempo acelera isso sem nem a gente perceber. 


Conviver é preciso porque ninguém pode deixar para depois o que o coração pede agora.  

                                                                                                                                                                     Conviver é amar...
Conviver é preciso Delicadeza! (Sempre)         ^^

Da maturidade


Eu esperava outra coisa da maturidade.
Esperava não vê-la – cristalina.
Não perceber que é ela quem me põe a caminhar quando não quero.
Ela me põe na cozinha, na estrada, no Banco pagando contas,
escolhendo tomates no mercado, escolhendo feijão,
escolhendo amigos – esse sim, esse não.
Ela é quem me diz que é tudo processo, que é tudo conjuntural.


Da falta de amor, a maturidade me diz, é assim mesmo.
Da falta de dinheiro, a maturidade me diz, é assim mesmo.
Da falta de mão, a maturidade me diz, é assim mesmo.
Da desilusão, é… é assim.
E sobre o romance, é assim também.
Passeio, o Taim, a Foz do Iguaçu, eu queria ir, mas é assim mesmo.
A maturidade me diz que se tem um tempo para tudo,
só que nunca se sabe que o tempo é aquele aqui, naquele momento.
Quando se percebe o tempo é porque ele passou.
A maturidade me diz isso sempre.
O teu tempo passou.
É assim mesmo.
Agora é outro tempo.
Ana Carolina M.Silva


segunda-feira, 2 de julho de 2012

Lingerie: Quando, como e porque?



Quando
Engana-se quem acredita que usar lingeries serve apernas pra um objetivo: despertar o desejo sexual do parceiro!
Estes estão enganadíssimos!
Três coisas que levantam a alto-estima de uma mulher: Depilação feita, cabelos bem cortados e uma lingerie delicada!

Usar a lingerie aparente no look está na moda.
Particularmente eu acho lindíssimo, porém, é necessário ter bastante cuidado para não tornar o visual vulgar. 


É como sempre digo, uma renda ali e tudo torna a ser delicado!

 
Como
Tomar um bom banho, passar o hidratante corporal e coloca a peça para você se sentir bem, mesmo que ninguém venha a ver, levanta a alta-estima.
Por isso sempre aconselho as minhas amigas: 
Compre lingeries para você mesma!

Isso de usar peças íntimas apenas para os parceiros pode não te deixar segura quando usar uma pela primeira vez e tornar sua vida sexual uma frustração.


Porque
Leio muitas confissões de mulheres que gostariam muito de usar determinadas peças, mas ainda sentem-se bastante inseguras. 
Usar a lingerie diariamente vai criando uma intimidade fundamental entre você e a segurança, melhorando assim sua alto-estima!

Meninas...
Ser bonita é sentir-se delicada!
"Tenho muitos excessos de fofuras",
"Quase não tenho excessos de fofuras",
"Não tenho bumbum, tenho estrias, sou feia ou sou magérrima",
"Tenho pernas finas demais",
"Tenho seios de menos"...
                   
Tudo isso não importa! 
Aprenda a amar você com todos esses detalhes!
Antes de vestir uma lingerie para alguém, vista para você!!!


E lembrem-se viver com delicadeza por vocês mesmas!!
                                                                                                                                     ^^                                        

sábado, 23 de junho de 2012

Dá gosto de morar!


Existem mimos que necessitamos!
E como o memorável Vinicius de Morais cantou, "Mas era feita com muito esmero, na rua dos bobos, nº 0".



A casa é integralmente a identidade da Dona.
Ela tem suas portas, suas fechaduras... Seus segredos!
Acomoda suas estantes - livros, poesias, temperos e segredos...
Anfitriã de algumas realizações, paredes de concreto
       quarto banheiro e segredos!
Sala de estar, sofá, travesseiro, sonhos e segredos.
Ela tem alma de jardim
            espírito de cozinha
            gênio de quintais
                                      e sótãos de segredo!

Ela tem endereço - rua, quadra, cep e número.
Mas dentro, segredo!





Hoje eu postei mimos decorativos que valem apena conviver com eles!
Mas só lembrando... Não importa o luxo, valem mais as delicadezas!
                                                                                                                                                     ^^

quarta-feira, 30 de maio de 2012


Olá, 
Hoje eu vou publicar um texto que eu sempre achei de uma delicadeza...


"É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado.
É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando.
Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identida...de. A coerência. O rebolado.
Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja.
Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na platéia. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, do nosso faz-de-conta, para caminhar humanamente ao seu encontro.
Difícil é amar quem não está se amando.
Mas esse talvez seja, sim, o tempo em que o outro mais precisa se sentir amado. Eu não acredito na existência de botões, alavancas, recursos afins, que façam as dores mais abissais desaparecerem, nos tempos mais devastadores, por pura mágica. Mas eu acredito na fé, na vontade essencial de transformação, no gesto aliado à vontade, e, especialmente, no amor que recebemos, nas temporadas difíceis, de quem não desiste da gente."


Texto de Ana Jácomo

sábado, 26 de maio de 2012

Sozinha e Bem Acompanhada, Obrigada!

Delicadeza por Delicadeza
Indelicadeza é ficar em casa, por falta de poesia! Costumo dizer que vivo uma vida real quando deito na cama para dormir. E nas horas vagas, eu faço poesia.
E para isso, é importantíssimo manter sempre os olhos abertos para as poesias que costumamos viver e não valorizar. Ok! Boa parte é pura metáfora, mas não faço figura de linguagem quando leio um bom livro enquanto tomo um cappuccino no café, ou quando procuro passear pelos jardins da cidade olhando o orvalho, respirando bem e respirando certo!


Minhas delicadezas é vista sobre tudo nos detalhes da vida, porque independente de condição financeira, opção sexual ou credo, o importante é encontrar as delicadezas da vida e sorrir seguindo em frente. 
Acredite em mim! Quando o caos está batendo na porta eu o convido para entrar e sirvo-lhe uma xícara de chá de Rosas. É preciso está diante do desespero, é preciso ouvir as suas afrontas e seus berros... Depois, respira fundo, coloca a Stacey Kent e toma um chá.


Quando a coisa aperta para todos os lados, eu coloco um vestido solto, havaianas no pé, Lennon no fone e corro para o refúgio mais próximo. Antes, eles costumavam se apresentar em forma de pessoas. Se as preferir, ótimo! Mas hoje, para mim, são lugares e às vezes, até se resumem a pequenas manias. As pessoas são sempre ótimos refúgios, mas quase nunca estão disponíveis quando você precisa e por isso optei por lugares, objetos... Tudo aquilo se transforma na coisa mais aconchegante do mundo. Ou seja, quando a coisa aperta, pulo para uma livraria, vou ao zoológico, faço compras... Procuro estar só, sem martelar muito os problemas.

Delicadezas não combinam com problemas. Quase como um hakuna matata, um pouco mais poética.
Outra coisa que combina muito com momentos poéticos é comprar flores. E literalmente montar seu jardim! São crisântemos, samambaias, roseiras... Uma boa maneira de voltara para casa bem acompanhada.
Quando a coisa aperta, além de ser importante o momento da ida, é o momento da volta.

Volte para casa sozinha, mas acompanhada sempre de bons pensamentos, poesia rara e um jarro de sentidos delicados!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Somos, pensamos e agimos o que comemos


Olá,

Confesso que foi a primeira vez que cumpri com aquela velha promessa de “segunda-feira eu começo tal coisa”. Mas bem. Desejo uma ótima semana a todos e que os dias dessa semana sejam cheios de harmonias!
Então... Fui vegetaria durante cinco anos e três comendo apenas carnes brancas. O motivo? Inúmeros!
 Vinham de explicações espirituais, questões éticas, saúde até política. E acabei por motivos de saúde voltando a comer carnes. O problema foi bem simples. Quando escolhemos comer um determinado tipo de comida, precisamos juntar o útil ao agradável. O que não foi o meu caso! Já no finalzinho dos meus dias como vegetariana, viajava diariamente e nunca consumia todos os nutrientes precisos para uma boa saúde.  
Se adaptar ao cotidiano vegetariano requer principalmente o fácil acesso aos ingredientes dessa culinária. O que não foi o meu caso!
Logo, voltei a comer carne. Ainda hoje, tenho certa rejeição natural a esse tipo de proteína. A quantidade de carne ingerida na minha alimentação é muito pequena. Troquei a carne no meu dia-a-dia pela velha e boa SOJA!
Bem temperada e feita com carinho, todo mundo come, repete e o desinformado ainda diz, “Essa carne estava deliciosa”.


Mas a pergunta crucial é: Porque comer saladas?!
Além de todos os nutrientes fundamentais para saúde, os legumes nos ajuda a manter sempre o corpo limpo e a mente equilibrada. Explicações espirituais e biológicas são bastante simples!
Primeiro “você é o que você come”, já dizia a ideologia Zen Budista. Assim como precisamos cuidar dos animais domésticos, zelar pelos silvestres, temos acima de tudo que respeitar o que comemos. Como ecóloga, entendo que todo ser interage com o outro e com o meio, isso gerando energia. Como sabemos, tudo ao nosso redor é formado por átomos e esses átomos precisam estar ativos para gerar uma fonte de calor, a quem chamamos de energia. Quando comemos algo, estamos colocando dentro do nosso corpo uma quantidade de energia que irá interagir principalmente com a nossa energia.
Logo, somos o que comemos, e nós não queremos ser essas energias negativas!
As saladas são em geral, seres que possuem sistema biológico mais simples que os animais. Não fornecendo uma estrutura completa e complexa de sistemas nervosos. Na hora do abate tanto vegetal como principalmente animal, aquele ser acumula energias nervosas, que nós zen budistas dizemos ser a fonte de energias negativas. O animal por ter um sistema nervoso mais completo, fica estressado, irritado e com medo, isso acumulando energias negativas na hora de morrer. Quando ingerimos esse tipo de alimentação, a quantidade de energias negativas são bem maiores que quando ingerimos vegetais.
Quanto às explicações biológicas, a coisa é mais simples ainda. Precisamos de um metabolismo maior, demandando mais energia para quebrar todos os componentes da estrutura proteica de origem animal.


Uma pergunta simples eu faço antes de finalizar o tema:
Quem te deixa mais leve e disposto após a refeição? Um prato de salada bastante colorido e completo com um pedaço necessário de carne ou um rodizio de churrasco?

Pense nisso!

Bem Vindo ao Délicatesse


Vamos guardar as delicadezas da vida. Apoia-se em nuvens quando aquele detalhe carinhoso passa diante de nós, submergindo-nos nessa fotografia cheia de cores que é a nossa vida! O mundo, bem certo, sabemos, anda girando numa rotação louca onde a gentileza nos escapa das mãos. E nesse vendaval de conflitos urbanos, perdemos a ousadia de sermos assim, curiosos. É preciso prestar mais atenção na vida, principalmente quando ela vem cheia de detalhes e delicadezas! 

Com licença,
Mas vai ser sobre a delicadeza da vida que eu vou falar!